Um site de quem erra, um site pra quem erra, ou simplesmente, um site qualquer

O tempo em movimento.

Desolation from lovetheframe on Vimeo.

Antes de virar modinha romper com o movimento gospel e escrever manifesto para dizer que não se é mais evangélico, eu já tinha cansado do que as igrejas se tornaram. Mas mesmo assim alguns ex-colegas de clube me acusam de ter me desviado da fé cristã. Todo dia alguém me acusa de ser ressentido ou estar magoado mortalmente com os ungidos do Senhor. Pedem-me que dê uma nova chance à igreja do Senhor, que releve os pecados cometidos porque, afinal, somos todos irmãos.

Pois bem, tenho pensado nisso e resolvi tomar dez atitudes que poderão me reconciliar com o movimento gospel brasileiro. São as seguintes:

1 – Chamar o Silas Malafaia e o Edir Macedo para tomar chá e discutir a cosmovisão cristã deles e o futuro do Brasil como celeiro de missões. Importante tratar da ascensão midiática como instrumento de Deus para o alcance das populações isoladas no Brasil.

2 – Aproveitando a oportunidade, discutir com o Malafaia o evangelicalismo nos moldes americanos como mal necessário para o avanço do reino de Deus como modelo econômico e político viável para o Brasil.

3 – Debater com o Valdemiro a epistemologia do milagre como válvula de escape para as tensões sociais das classes inferiores. Se possível discutir a teologia fluída como resposta ao dogmatismo das igrejas históricas.

4 – Discutir com o R. R. Soares as novas vertentes de acolhimento das minorias não homogêneas nas igrejas locais e sua importância na cosmovisão

5 – Trocar uma ideia com o Caio Fábio sobre como instituir comunidades de base de cunho leigo e não sectárias. Se possível, tratar da questão do futebol como verdadeiro ópio do povo.

6 – Ir ao salão com o Feliciano e procurar traçar um perfil do jovem cristão inserido no mercado de consumo altamente predatório e excludente e elaborar um manifesto contra a opressão do padrão de beleza ariano que faz jovens afrolatinos rejeitar seus traços físicos.

7 – Debater com o Bolsonaro a valorização da família como célula mater da sociedade num contexto pós-moderno dissociativo e perturbador. Se possível, discutir a criação do dia em prol da valorização da minoria branca, heterossexual, intelectualmente dotada e de valores invejáveis.

8 – Analisar com o Jabes de Alencar o contexto sociocultural das comunidades do Rio sob a perspectiva de ocupação militar das UPPs. Para este arrazoado, seria bom ter a presença do pastor Marcos Pereira para tratar da questão da liberdade de cultos não cristãos nas favelas e comunidades.

9 – Rever com o Kleber Lucas a contrassignificação do novo modelo musical imposto em contrapartida à história musical cristã brasileira. Seria bom convidar o João Alexandre para discutir a harmonização da música cristão de qualidade com o novo cenário midiático.

10 – Discutir com os pastores goianos os avanços dos novos modelos de crescimento por marketing de rede e reprogramação neurolinguística.

Devo gastar uns dois anos nesta empreitada, mas até lá estarei de volta ao movimento gospel e acho até que vou apoiar o Crivella pra presidente.

Fonte: Pequenos Dramas, de Tom Fernandes

Texto original: Uma nova chance ao movimento gospel.

Online Browsing

國立故宮博物院 National Palace Museum
www.npm.gov.tw

Ver o post original 4 mais palavras

.

Efeito das Cores é um trabalho que encanta pela sutileza. Não há nada de revolucionário na maneira como a carioca Marcela Vale – líder do Mahmundi – acomoda os versos honestos e a instrumentação doce que passeia pela década de 1980. Referências que tornam vivas cada uma das seis composições administradas pela artista e a dupla de colaboradores que a acompanham. É justamente dentro dessa proposta simples e acessível aos mais variados públicos que Vale projeta todas as criações de sua autoria ao vivo, faixas que encontraram na naturalidade lírica e instrumental o fermento para os pouco mais de 50 minutos da apresentação na noite de ontem (17) no SESC Pompeia.

Primeiro show oficial da carioca em solo paulistano – e o segundo desde que passou a se apresentar como Mahmundi -, a apresentação enfrentou o frio, a chuva e o baixo público até conseguir de fato engrenar. Foi…

Ver o post original 436 mais palavras

Whitaker Park – Upstate New York

Natureza para apreciação. (Whitaker Park – Upstate New York)

Fonte: http://iloveusny.com/

Gratidão

Old Smile

Old Smile

Segue na íntegra um texto de um amigo:

Vivemos uma vida cheia de resumos. Nossa pressa, nossa vontade de fazer muitas coisas em pouco tempo, nossa correria sem fim nos faz encurtar as coisas, abreviar palavras, andar depressa, falar rápido, olhar muitas vezes o relógio, bater o pé enquanto esperamos numa fila, internet lenta aff.

Resumindo (oi?), fazemos coisas expressas, rápidas. Até nossas orações são resumidas: Senhor abençoe meu dia, amém; Senhor perdoa todos os meus pecados, amém; Senhor obrigado por tudo, amém.

Obrigado por tudo é o que dizemos, mas existe gratidão numa fala como essa? Se nos sentimos gratos por “tudo” por que não dizemos o que é “tudo”? Já há muito tempo ouço: “Pecado tem que ser confessado um por um”, é, declaração de gratidão tem que ser dita uma por uma também.

Nunca agradecemos pela lua que brilha lindamente no céu de uma noite fria de maio, nem mesmo agradecemos pelos olhos que possuímos, que nos permite apreciá-la. Não agradecemos a capacidade que temos de ler, e pelos professores que nos ensinaram, e pelo autor daquele maravilhoso livro que tanto mexe com a nossa imaginação e emoções.

Tem muito mais para agradecer, mas isso eu vou fazendo durante a caminhada.

Como disse o pastor domingo passado:

“A gratidão desbloqueia a abundância da vida.”

Você pode acessar esse texto também no site do Tiago Gondim.

A Arma Escarlate

Hugo, personagem de A Arma Escarlate

O ano é 1997. Em meio a um intenso tiroteio, durante uma das épocas mais sangrentas da favela Santa Marta, no Rio de Janeiro, um menino de 13 anos descobre que é bruxo.

Jurado de morte pelos chefes do tráfico, Hugo foge com apenas um objetivo em mente: aprender magia o suficiente para voltar e enfrentar o bandido que ameaça sua família. Neste processo de aprendizado, no entanto, ele pode acabar por descobrir o quanto de bandido há dentro dele mesmo. (Fonte: SARAIVA)”

Bom dia, pessoal!

Decide postar hoje acerca de um livro da minha instrutora virtual de Esperanto, Renata Ventura (a Experantrix). Ela é autora romancista de primeira viagem, mas já vem trazendo conteúdo de primeira mesmo! E pela ousadia que se nota lendo simplesmente a sinopse do livro, dá pra ter uma ideia do que contém essa obra.

Então, a sugestão do dia é o livro A Arma Escarlate. Brasileiríssimo e com um enredo bem interessante. Leitores de plantão, avante!

P.S.: Você pode encontrar esta obra na livraria da Saraiva, clicando aqui!